Pessoas mais velhas e pessoas com demência

Pessoas mais velhas e pessoas com demência têm mais dificuldade em acompanhar a evolução dos acontecimentos, a alteração das rotinas e a avalanche diária de informação.

Também podem não compreender a necessidade de cumprir as medidas de isolamento em vigor.

Que devem as famílias e os cuidadores fazer

  • Transmitir factos simples sobre o que está a acontecer, com clareza e utilizando palavras acessíveis;
  • Repetir as medidas de segurança a ter diariamente para reduzir o risco de infeção. As instruções devem ser dadas de maneira clara, concisa, respeitosa e paciente. Também pode ser útil deixar por escrito algumas recomendações.

Ofereça ajuda para o contacto com os serviços de saúde

No caso de necessitar de apoio médico ou hospitalar, ofereça ajuda nos contactos com os serviços de saúde – Centro de Saúde ou Hospital. É possível que o seu familiar ou pessoa a cargo possa ficar mais instável, principalmente se já apresentava dificuldades anteriormente, e necessite de cuidados de saúde ou ajustes na sua terapêutica.

Veja como contactar o seu Centro de Saúde ou o Serviço de Saúde Mental do Hospital da sua região – Adultos, Infância e Adolescência.

Pense quem melhor pode ajudar

As pessoas mais velhas podem resistir à imposição das medidas de isolamento. Escolha a pessoa que lhe pareça mais eficaz para comunicar.

Se ouvir recomendações vindas dos filhos pode ser difícil de aceitar, muitas vezes os netos são ouvidos com mais atenção. Referências como padres, dirigentes de autarquias ou de coletividades, amigos ou outros familiares também podem ter autoridade e ser ouvidos com maior atenção.

Faça perguntas abertas, para perceber o que já sabem

É mais eficaz perguntar às pessoas mais velhas ou pessoas com demência o que já sabem sobre esta pandemia, antes de iniciar uma conversa sobre este tema. Desta forma, evita-se a repetição de informação correta que já está interiorizada, bem como correr o risco de ouvir como resposta que não se está a aprender nada de novo ou se está a ser paternalista.

Esta é também uma forma de perceber quais são as informações erradas que têm e como as obtiveram, realçando a necessidade de recorrer a informações corretas e fontes fidedignas de informação.

Escolha a melhor altura para abordar assuntos difíceis

Faça recomendações em privado, escolhendo uma altura mais calma e favorável para transmitir informações mais negativas. Escolha alturas em que também se sinta mais relaxado, de forma a não se irritar com a resistência que o seu familiar pode oferecer às suas recomendações.

Tente estabelecer comparações com outras situações que já tenham vivido

Se conseguir relacionar a situação atual com outras que já tenham sido experienciadas ao longo da vida (por exemplo: epidemia de poliomielite), como as que implicaram isolamento, pode ajudar a perceber melhor a atual pandemia.

Do mesmo modo, pode questionar o seu familiar ou pessoa a cargo sobre a gestão de outras situações de crise, assim como os sacrifícios que foi necessário fazer.

Ajude-os a considerar alternativas em vez de tentar impor regras

Tente estimular a procura de alternativas, antes de tentar impor o que considera ser a forma mais adequada de proceder. Em alguns casos poderá ser necessário encontrar uma solução de compromisso, mesmo que não a ideal.