Violência doméstica

Porque a violência doméstica também é uma questão de saúde

Os períodos de isolamento podem representar maior risco, fazendo escalar a violência e dificultar as oportunidades de procura de ajuda.

Seja um agente de saúde pública, reconheça os sinais em vizinhos ou na sua comunidade, sobretudo em crianças, mulheres e pessoas idosas:

  • Parecem nervosas, com medo ou deprimidas;
  • Têm comportamento submisso em relação ao outro;
  • São desvalorizadas e humilhadas à frente de outras pessoas;
  • Cumprem ordens sendo a outra pessoa que decide de forma autoritária;
  • Há comportamento hostil, ciúme ou possessividade do parceiro(a) ou cuidador(a);
  • Surgem com marcas físicas não justificadas ou mal explicadas, que procuram ocultar.

Lembre-se

As marcas nem sempre são visíveis.

A violência psicológica também tem consequências para a saúde das vítimas.

As crianças são SEMPRE vítimas diretas mesmo quando a violência ocorre entre outros elementos da família.

Se é vítima de violência doméstica

  • Opte por locais que ofereçam segurança;
  • Combine com vizinhos ou familiares códigos quando necessitar de apoio em situações de emergência;
  • Nunca confronte a pessoa agressora;
  • Memorize contactos de apoio;
  • Aproveite pequenas saídas, para compras ou de outra natureza, para pedir auxílio;
  • Proteja as crianças e os jovens da exposição a violência física ou verbal;
  • Estabeleça um Plano de Segurança em caso de necessidade de fuga.

Para mais informação, consulte:
https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/331699/WHO-SRH-20.04-eng.pdf (informação da OMS em língua inglesa)

Peça apoio

Denuncie

A violência doméstica é crime público e denunciar é uma responsabilidade coletiva. Procure Forças de Segurança (PSP, GNR) ou apresente uma queixa eletrónica.